Feeds:
Posts
Comentários

Archive for agosto \06\UTC 2010

Mais cruel que a bomba, só o homem!

HIROSHIMA – 1945, dia 06 de Agosto

Uma bomba. Nome? “Little Boy”, contendo de 50 a 70 kg de urânio enriquecido

          Poder de explosão de 15.000 toneladas de TNT

          90.000 mortos de imediato, 145.000 morreram em meses

          Área atingida de 10 km2

Ondas de choque destruíram tudo dentro de um raio de 4 quilômetros, nos primeiros 10 segundos após a bomba ter explodido a 567 metros acima do solo.

NAGASAKI – 1945, dia 09 de Agosto

Uma bomba. Nome? “Fat Man”, contendo 6,2 Kg de plutônio

          Poder de explosão de 21.000 toneladas de TNT

          40.000 mortos de imediato, 75.000 morreram em meses

          Área atingida de quase 7 km2

Destruição total num raio de 1 quilômetro, após a bomba ter sido detonada a 500 metros acima da cidade.

As armas termonucleares de hoje são até 1.000 vezes mais destrutivas do que as primeiras bombas acima, usadas em Hiroshima e Nagasaki. E o homem continua acreditando que pode alcançar paz e justiça, pela violência. A violência que nos infesta e se manifesta neste mundo de hoje é cada vez maior, mais incontrolável e tende a se tornar mais cruel ainda. Guerras, terrorismo e extermínios são atrocidades crescentes nesse mundo de dores e sofrimento sem fim.

A história da humanidade tem sido escrita e reescrita pela crueldade e pela ignorância. E, por diversas vezes, a inconseqüência de hoje alia-se à falta de consciência do amanhã, como se não houvesse mais futuro algum para nós, trágicos coadjuvantes do miserável e insano espírito humano.

E a cada atrocidade cometida, a cada perda insana acontecida, a humanidade dilacera suas próprias ilusões e institui a dor permanente. As bombas explodem, as vidas se volatilizam em frações de segundos, e tem-se o retrato do quão destrutivos somos, esses seres ditos humanos. As crueldades se repetem de tempos em tempos e o ciclo da carnificina se perpetua.

Auschwitz, Hiroshima, Darfur e outros tantos, mais que sinônimos de vergonha, são retratos de que o homem atingiu a ignorância, sem precedentes, de ser insalubre a si próprio. Neles se viu que o ódio e a intolerância queimam mais que o fogo das fornalhas e contaminam mais que o plutônio assassino.

A paz que um dia almejamos alcançar, é um processo delicado e frágil, e que deve ser construído no nosso dia-a-dia, nas coisas mais simples e banais. Educação, respeito, consciência e amor são sentimentos que nos farão diferentes dos ignorantes e dos hipócritas, já que para matar tornamo-nos todos iguais.

Tanto quanto qualquer outra data, histórica ou não, hoje também é um belo dia para se começar a viver em paz e construir um amanhã diferente.

Aliás, hoje, é bem melhor que amanhã! Então, que tal?

Ou você tem coisa melhor para fazer?

Tavinho Caúmo

.

 Publicado no jornal “Correio da Paraíba”, em 14 de setembro de 2007.

divider500x5.jpg

Anúncios

Read Full Post »

A Estúpida Rosa Radioativa

ROSA DE HIROSHIMA
(Vinícius de Morais)
 .
Pensem nas crianças,
Mudas telepáticas.
Pensem nas meninas,
Cegas inexatas.
Pensem nas mulheres,
Rotas alteradas.
Pensem nas feridas,
Como rosas cálidas.
Mas, oh, não se esqueçam
Da rosa, da rosa!
Da rosa de Hiroshima,
A rosa hereditária.
A rosa radioativa,
Estúpida e inválida.
A rosa com cirrose,
A anti-rosa atômica.
Sem cor, sem perfume,
Sem rosa, sem nada.
.
Veja duas animações das bombas de Hiroshima e Nagasaki, produzidas pela fotojornalista ucraniana Elena Filatova. Elena, que viveu perto de Chernobyl, também é ativista contra a produção de energia nuclear, para quaisquer usos e fins.

divider500x5.jpg

Read Full Post »